25 | 05 | 2018
CANAIS
CULTURA
SOCIEDADE
VARIEDADES
C. DOURADO
UTILITÁRIOS
NOTÍCIAS

BNET NAS REDES

BNET NA REDE (+)

Compartilhe!

Submit to DeliciousSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn
Eventos
loader
FAÇA O LOGIN

PESSOAS ON-LINE

Temos 30 visitantes e Nenhum membro online

Este Site

Reflexões

MINHA MENSAGEM

PARA O NATAL, PARA OS AMIGOS QUE FALAM DO NATAL E, PRINCIPALMENTE, PARA O PRESENTE, QUE PODE SER QUALQUER DIA!

→  De repente me vêm cartões virtuais, frases, GIFs, JPEGs, MPEGs a afins expressando desejos de Feliz Natal e Próspero Ano Novo. Ah, eu os agradeço por tudo isso. Sabem por quê?
Porque os seus desejos fazem efeito, não sei se os deste ano ou de outrora. Mas, ao ver as horas passarem, outros Natais chegarem e velhos Anos Novos também, eu me pergunto e me respondo: vale a pena. Recebo meu PRESENTE e faço bom uso dele. Concentro-me no Agora porque o mundo lá fora, passado e futuro, estão distantes. Um que não posso modificar, outro que não adivinho. E, se vocês, prezados amigo e amiga, mesmo em desalinho, concentre-se na sua fé. Porque a minha me dá coragem para tirar um tempo, de verdade, para pensar em você, nos seus filhos e pais, nos seus maridos e mulheres, e vizinhos, e colegas de trabalho, e amigos, e inimigos, e pedir por eles, sem a ilusão de pedir prosperidade, mas para que os seus corações realmente sintam a presença daquele que comemoramos o Nascimento neste dia, mas que, após a saída da maternidade, teve que enfrentar desertos, e ter pregos atravessando suas mãos e pés, e subir ladeiras, e descer ao fundo da alma, e respirar fundo e questionar o próprio Pai; e teve que perdoar na dor, realizar milagres e explicar aos seus seguidores aquilo que eles não entendiam. Ele ouvia e falava, não se apegava, pregava; Ele não corria: subia a montanha e subia ao barco para falar, para falar. E hoje sua Palavra nem sempre faz o eco que ele desejou em nossos corações. Hoje, ainda confundimos o certo com o errado, ainda negamos, e não falo de dinheiro e riqueza, mas negamos um sorriso, um abraço para o qual Ele nos deu braços, para milhões e milhões de abraços, e nós negamos, muitas vezes negamos.
Estou Feliz Natal sim, porque tenho amigos, que erram e acertam, mas estou feliz por ter a capacidade de perdoar, e de verdade; estou Feliz Natal porque eu sei que erro e erros grosseiros e aos milhares, mas os desejos de vocês têm me dado a capacidade de me perdoar e de perdoar aos outros; e sei que outros erros virão, porque humano sou, humanos somos. Assim, estenda seu desejo a outros também, estenda seu desejo não para o futuro, mas ao Presente, exatamente no momento em que você aproximar a faca dessas gordas e apetitosas guloseimas que lhes encherão as mesas nessas noites de festas, e peça para que essas mesas sejam sempre fartas. Mas... não restrinja seus agradecimentos à mesa, à bebida, à comida, mas que tudo isso se estenda para todo mundo, de verdade; parta a carne e também o parta o coração de solidariedade e emoção, e sinta o quanto isso é valioso, e que muitos outros, lá fora, neste momento, gostariam de ter ao menos os restos de champanhe e vinho e ou os ossos despelados que sobrarão para saciar um pouco do desejo que eles também têm, de ao menos uma ceia durante toda a vida, não por um ou dois dias.
E nós, o que fazemos a maior parte do tempo? Desperdiçamos, mas não doamos; julgamos, mas não perdoamos; desejamos, mas não praticamos; falamos, mas não vivemos; empregamos muito tempo para garantir o futuro, investimos para ganhar o mundo, lutamos pelos nossos sonhos e pisamos em muitos sonhos e, quem sabe, de muitos desses que hoje abraçamos, e voltaremos a pisar nos sonhos daqui a um ou dois dias. Anarquia?
Não sei! O que sei é que estou aqui para dizer o que penso, principalmente o que faço. Dizer que amo, sim, mesmo sem abraço; erro, sim, mas pensando em acertar; sofro, sim, mas tentando cumprir a missão que me foi dada.
Então, caros amigos, agradeço de coração, mesmo muitas vezes me perguntando porque não reservamos tantos bons desejos, tantos corações aquebrantados, tantas almas salvas pela fé, tanta bonança, tanta solidariedade, tanta caridade, tanto desapego, para que usemos isso, mesmo de forma racionada, durante os restantes dias do ano que, na verdade, não é ano, não é dia, não é futuro, nem é passado, talvez sequer nada, a não ser a grande ilusão de querer ser algo que nós mesmos inventamos. Nome para tudo, tempo para tudo, inclusive para amar e ter bons desejos e bom coração, disposição para conquistar o mundo, mas...
QUE ADIANTA AO HOMEM GANHAR O MUNDO INTEIRO E PERDER A SUA ALMA?
MARCOS 8:36

    FELIZES NATAIS, E DIAS, E NOITES, E NOVOS ANOS, E VELHOS...

Escrito por:
Carlos Dourado
Em: 24/12/2017
Publicações:
https://www.facebook.com/gabyinfo
https://twitter.com/brejinhosnet
http://www.brejinhosnet.com.br/
http://www.oliveiradosbrejinhos.com.br 


LI E GOSTEI!

pensador

A verdade é que os de cima realmente não trabalham. Não vamos tergiversar, trabalhar é dar duro, é suar, é fazer coisas que não são agradáveis, nem ocasionais, "faço hoje, depois faço quando me der na telha". Pois é, os de cima, que não trabalham, não produzem dinheiro. Em compensação têm todo o tempo pra bolar esquema de tomar o dinheiro dos que estão por baixo e trabalham, e dão duro, e suam, e fazem, continuadamente, coisas que não são agradáveis. E, para tomarem esse dinheiro que não lhes pertence,os de cima inventam palavras nobres, como mordomia, financia, ideologia, macroeconomia e constituinteria.

MAU TEMPO?

Na maioria das vezes em que os jornalistas, especialmente aqueles ou aquelas que apresentam dados sobre a previsão do tempo nos jornais televisivos, se referem ao período chuvoso como mau tempo. Agora, depois das experiências com a diminuição das chuvas e a crise de abastecimento de água em muitas regiões do país, inclusive São Paulo, estou curioso para saber se continuarão com essa declaração medonha de que chuva é mau tempo. Para o nordeste, ao menos no interior, é considerado o período de glória, de fartura, de produção. Então, percebe-se um diálogo extremamente sábio com a natureza, onde pessoas mais experientes apenas olham os sinais da natureza - barradas, direção do vento, formação de nuvens, calor - e já palpitam acerca da ocorrência ou não de chuvas. Fazem simpatias, escutam as lagartixas, sabiás, ou seja, independente de crenças, a natureza prevalece com sua sabedoria e altivez. No entanto, a ação desenfreada da maioria interfere tão drasticamente que nem percebe que se cria bolsões de ar quente, através de queimadas, poluição, desmatamento, que as correntes de ar podem tomar outro rumo, como deve ocorrer na região sudeste.

Fico imaginando quando as frentes frias se aproximam desses locais: - Gente, nós não vamos atravessar esse negócio, deve estar pegando fogo. Vamos voltar!"

Parece brincadeira, mas, em relação às forças e regras da natureza, nós só temos que respeitar, assimilar e nos adaptarmos a elas, não elas a nós. Chamar chuva de mau tempo é um desses desconfortos. Então, que o homem aprenda a dialogar melhor com a natureza, com sua sabedoria e soberania, visto que ele é apenas mais uma pequena parte, uma quase insignificante parte dela, mas a ignorância amplia a pouca importância que ele tem e que, desde a descoberta do fogo, vem interferindo, alterando, destruindo e levando os seres humanos (homens e outros bichos) ao caos.

UMA FRASE SOBRE AS TECNOLOGIAS

"A tecnologia nos traz a possibilidade de trazermos para perto de nós objetos de desejo sem o risco de que o desejo morra."

Ivan Capellato, em palestra no CPFL.

CARROS HÍBRIDOS: MELHORIAS?

Sem qualquer intenção de fazer propaganda gratuita, achei interessante uma repostagem sobre um carro da Toyota que, segundo informações, é líder de venda no mundo entre os híbridos. Visitei a página da empresa e verifiquei algumas informações. Quem sabe, você que é fá de carros e não consegue segurar a vontade de consumir, possa fazer um favor ao meio ambiente, se é que o carro faz o que promete.

Toyota Prius

Endereço:

Toyota Prius